Minho

Olho para um rio emoldurado. Um rio que divide dois países. A moldura é estática, mas o quadro é vivo. O céu muda de cor e o rio corre, corre. Ou às vezes só flui devagar, mas não pára. Estática como sua moldura, só eu agora — pelo menos é como me sinto.

Também eu corria. Atravessei um oceano, fui e voltei de meia dúzia de países, mudei de cidade como quem troca de vaso aquela planta que precisa de espaço para crescer. Enquanto eu trocava de casa em busca de um espaço que não era um LUGAR de fato, em busca de vasos maiores em que pudesse plantar meus sonhos, meu verdadeiro lar crescia entre minhas costelas. Minha casa sou eu, afinal.

Eu corria. E correria mais agora, se pudesse. Quem dera poder correr todos os outros lugares que ainda não conheço, quem dera meus olhos se encherem de mundo como antes, quem dera ao menos poder voltar a atravessar o oceano em busca de um abraço conhecido. Eu correria agora, se pudesse, mas não posso. Ninguém no mundo agora pode, então aprendi a fluir devagar.

Olho para este rio emoldurado. Como ele, me divido entre dois países. Como ele, aceitei que há o tempo de correr, mas também há o tempo de fluir sem pressa. Continuo a fluir, sem parar e mais devagar do que gostaria, mas ah! Quem me dera poder correr…

Vista para o Rio Minho. Gondarém, abril de 2021.

--

--

Artista Multidisciplinar que gosta de contar histórias e faz desenhos dançarem em telas.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ketryn Alves

Artista Multidisciplinar que gosta de contar histórias e faz desenhos dançarem em telas.